Automotivo
14 de Setembro de 2020

Passo a passo: entenda as 3 etapas do polimento automotivo

Você presta serviços de polimento automotivo? Então, não deixe de conferir essas dicas e saiba como melhorar o processo. Leia o post!

Tempo de leitura:

Serviços de estética automotiva estão em alta, e há muitas coisas que você pode oferecer aos clientes de seu auto center ou oficina. Entre elas, é claro, um bom polimento na lataria. 

Só que, para fazer a diferença e conquistar a clientela, há dois cuidados que não dá para deixar para depois: contar com acessórios e ferramentas de qualidade e conhecer tintim por tintim todas as etapas do polimento automotivo profissional

E você? O que está esperando para atrair mais gente até o seu negócio e garantir a satisfação dos clientes com aquele serviço de brilhar os olhos? Fica aqui com a gente e vem aprender tudo sobre polimento automotivo de primeira. 

Vamos lá? 

Polimento automotivo profissional na prática

Para começo de conversa, anote aí: o polimento automotivo tem 3 etapas fundamentais. Sabe já quais são? Estamos falando do corte, do refino e do lustro

Nas próximas linhas, vamos te mostrar cada uma dessas atividades e como realizar os processos, um por um, do jeito certo.

1. O corte 

De todas as etapas do polimento automotivo, a do corte é a mais agressiva, viu? É aqui que tudo começa, o passo que serve para corrigir os defeitos aparentes e profundos, como arranhões e desgastes da pintura. 

Você precisa saber que é na etapa do corte que a gente aplica o composto específico para o polimento. Pode ser polidor ou massa. Logo na sequência, vem a preparação da superfície para o acabamento. 

Em geral, aqui é necessária uma boina de lã, mantendo baixo giro. Faça o polimento da peça até que sejam removidos os microrriscos da pintura ou do verniz.

2. O refino 

Agora, estamos na segunda etapa do polimento automotivo profissional. É o refino, e como você deve estar suspeitando, a ideia aqui é refinar o corte, certo? Você quer tirar o aspecto bruto, então, a nossa recomendação é a de usar um polidor específico de refino

A ideia aqui é deixar o terreno preparado para acabamento final, já sem qualquer marca micro risco que possa ter ficado do corte. Tudo isso é especialmente para os carros de cores escuros, que são os que mais sofrem com os hologramas (aquelas marcas que geram um efeito arco-íris sob a luz do sol).

Assim como na primeira etapa, basta aplicar uma pequena quantidade do produto na superfície que vai ser polida. Depois disso, é só espalhar tudo direitinho com um politriz — sempre em baixo giro, ok? — e usando uma boina de lã super macia amarela ou uma boina de espuma para refino.

3. O lustro 

Bem, aqui é a última etapa do polimento automotivo, que a gente chama de lustro. É o processo de dar aquele toque final do serviço e garantir o acabamento impecável e o brilho que o seu cliente tanto quer. Fique ligado nos detalhes, ok? É um trabalho delicado, que exige olhos bem atentos. 

O produto indicado para essa etapa é um líquido lustro, específico para acabamentos. Mais uma vez, a melhor estratégia é a de usar boinas macias, seja de tecido, seja seja boina de espuma para lustro.

A aplicação é como a dos passos de corte e refino. Uma pequena gota sobre a superfície já é mais que o suficiente para lustrar com a ajuda de uma politriz. E o baixo giro sempre, é claro!

Boas práticas para um polimento impecável 

Além de estar por dentro das etapas do polimento automotivo, é bom tomar alguns cuidados que fazem a diferença na hora da entrega. Para te ajudar, preparamos algumas sugestões aqui.

Proteja partes da lataria com fita crepe 

O mascaramento é fundamental quando pensamos na entrega de um polimento automotivo sem defeitos. É aqui que a gente cuida de detalhes e das partes que devem ser evitadas pela politriz, como lanternas, faróis, setas, acabamentos e paralamas. 

A melhor coisa é usar fitas crepe automotivas, já que elas são desenvolvidas para isso. É um material que vai te garantir flexibilidade na aplicação e, com certeza, menos resíduos na superfície.

Aplique uma capa de mascaramento em algumas peças 

As capas plásticas automotivas são indispensáveis em qualquer auto center ou oficina que trabalha com serviços de estética, polimento e pintura. 

Elas servem para isolar partes e peças que não precisam de polimento, como entradas de ar, palhetas, grelhas e grades. Ter esse cuidado ajuda a proteger os elementos que a gente comentou e evita sujeiras ou manchas, problemas que podem significar trabalho sendo refeito e cliente insatisfeito!

Conte com bons acessórios e ferramentas

Já falamos que o mercado de reparação automotiva está em alta, mas é a excelência do resultado final que ganha mesmo os corações e fideliza os clientes. Para chegar lá e ir além da concorrência, não tem jeito: o segredo é investir em material de qualidade!

Então, não dá só para conhecer as etapas do polimento automotivo. Você precisa contar com equipamentos e acessórios adequados. É assim que dá para garantir um bom trabalho e conquistar o reconhecimento do público. 

Isso quer dizer que seu estabelecimento precisa ter as ferramentas e os recursos certos para a realização do serviço. Olha só alguns bons exemplos: 

  • boinas de diferentes materiais;
  • polidores e massas de marcas de referência;
  • ceras;
  • fitas e lixas. 

Controle a rotação da politriz 

Todo profissional de oficina que se preze tem que dedicar seu tempo para se capacitar e conhecer as técnicas e o uso correto dos equipamentos. 

Um dos mais importantes, sem dúvidas, é o uso correto da politriz, ainda mais pensando na velocidade da rotação. Como a gente te mostrou nas etapas de polimento, a baixa rotação é a melhor escolha. Ela ajuda a espalhar melhor a substância, cobrir a superfície toda no mesmo nível e não causar danos ou arranhões à lataria. 

Ainda, politriz em alta rotação é sinônimo de superaquecimento, podendo chegar a temperaturas de até 90º celsius na área de aplicação. Isso é um risco duplo: pode tanto danificar as peças sendo polidas (levando a um prejuízo alto e evitável), quanto representa um risco desnecessário ao profissional.

O que isso significa na prática? A rotação da politriz deve ser entre 1400 e 1800 rpm. 

Faça o polimento com a movimentação certa

Nenhuma das etapas do polimento automotivo requer o uso de força ou pressão das mãos. Pelo contrário! Lembre-se da boa e velha máxima: é jeito, não força! O resultado fica melhor sempre com movimentos leves e lentos, ideais para uma aplicação delicada e linear dos produtos na superfície. 

Por último, mas não menos importante, é preciso prestar atenção à inclinação na hora da aplicação. Sempre trabalhe com a boina chapada contra a peça — é isso que garante o bom nivelamento do verniz e que evita os tais hologramas que comentamos anteriormente.

E guarde bem isto: não abra mão das marcas confiáveis. Pode acreditar, a qualidade do material usado fará toda a diferença no resultado final. 

Você viu por aqui as etapas do polimento automotivo profissional. Além, é claro, de algumas dicas para prestar um serviço diferenciado e que vai botar aquele sorriso no rosto até do cliente mais exigente. Capacitação profissional, bons insumos e atendimento personalizado são as chaves do sucesso da sua oficina!

Curtiu as dicas de polimento automotivo? Continue se capacitando com a nossa ajuda: confira também nosso conteúdo sobre a variedade de lixas para funilaria e como escolher a melhor!

E se você quer se aprofundar no assunto, te convidamos a conhecer o curso gratuito: Primeiros Passos do polidor automotivo da plataforma Norton Academy. Neste curso, você encontrará as principais técnicas para realizar um serviço de polimento e conhecerá os cuidados para não danificar o veículo, utilizando estratégias para potencializar os resultados do seu negócio e fidelizar clientes. Inscreva-se e turbine sua carreira.

New call-to-action

Comentários