Construção
23 de Dezembro de 2020

3 boas práticas de harmonização de cores para usar na pintura

Quer acertar na harmonização de cores? Confira nossas 3 dicas infalíveis que você poderá aplicar em todos os ambientes!

Tempo de leitura:

Todos que trabalham com pintura já passaram pela situação de ter que refazer um serviço porque alguma cor não agradou o cliente, mesmo que tenha sido dele a escolha.

Um bom pintor, para se diferenciar no mercado, tem que ir além do trabalho braçal e dominar também a harmonização de cores para evitar casos assim.

Saber preparar uma superfície para a pintura é sempre importante, mas conseguir prever o resultado da mistura de tons e da combinação com os móveis dos ambientes também é. É isso o que vai fazer com que o seu cliente se sinta confortável em sua própria casa, e vai aumentar as chances dele te indicar para outros.

Quer saber mais sobre a harmonização de cores? Selecionamos as 3 principais dicas para que você aprenda a fazer melhores escolhas. Continue a sua leitura!

1. Defina uma paleta de cores

Providencie um círculo cromático, que é formado com as 3 cores primárias (amarelo, vermelho e azul), as 3 secundárias (verde, laranja e roxo) e as 6 terciárias, que são combinações das 6 primeiras mencionadas. Por meio do círculo cromático, você poderá escolher, por exemplo, as colorações que predominarão em cada ambiente.

Entre essas 12 tonalidades principais, você encontrará as complementares, análogas, e também fará outras combinações por meio de figuras geométricas que ligarão diferentes cores de forma harmônica. Montar uma paleta é uma boa estratégia para encontrar de fato boas misturas.

2. Entenda a psicologia das cores

As cores que você usaria para pintar um buffet de festa infantil jamais seriam as mesmas que utilizaria em uma casa noturna, e isso porque há uma psicologia por trás das cores e as sensações que elas transmitem. Enquanto algumas despertam relaxamento, outras são estimulantes.

Para conseguir aquele ambiente mais sério, é preciso escolher os tons neutros, como o branco, o cinza e o caramelo. É a sensação que se busca para quartos e escritórios, e é também uma boa pedida para integrar o espaço destinado ao escritório com os outros cômodos da casa.

Para quem busca a descontração, a aposta deve ser em tons claros e vivos, mesclados com alguns básicos. O amarelo-palha e o verde-menta são opções para ambientes como sala e cozinha. Já a alegria dos ambientes externos pede por colorações mais fortes, e neste caso, não há muitos padrões, embora seja preciso evitar excessos.

3. Lembre-se de que menos é mais

Um dos maiores erros cometidos nesse tipo de serviço, como já falado, é pecar pelo excesso. Escolher cores que, quando aplicadas à parede, são muito chamativas ou que não combinam com o restante do ambiente é uma reclamação comum.

Logo, lembre-se do famoso ditado: menos é mais. Mostre aquelas combinações que não costumam falhar e que são compatíveis com o gosto e a decoração do seu cliente. Outro grande erro está na escolha dos materiais, por isso, opte sempre por tintas de excelente qualidade e que ajudem você no trabalho de harmonização de cores.

Gostou das nossas dicas? Então, compartilhe esse texto nas redes sociais para que ele seja útil também para os seus contatos!

Comentários